MENSAGEM   ATUAL

IR PARA A PÁGINA RELIGIÕES

IR PARA A PÁGINA INICIAL

Congregacionalistas!

 

         A Congregação Cristã no Brasil, fundada

 em 1910 pelo italiano Louis Francescon, durante

 anos esteve entre as igrejas que mais creceram no

 Brasil... Ela ensina que:

 

               1 – A igreja não precisa de pastores além de Jesus – Heb. 6:20.

         2 – As mulheres cristãs devem usar o véu durante o culto – I Cor. 11:1-16.

         3 – Os crentes devem se saudar com ósculo santo – Rom. 16:16.

         4 – O Evangelho não deve ser pregado fora dos locais habituais de culto – Mat. 13:54.

         5 – Os “pregadores” não devem estudar nem preparar para a pregação, pois o espírito Santo colocará na sua boca as palavras certas no momento certo – Mat. 10:19, 20.

         6 – O dízimo restringe-se aos dias do Antigo Testamento...

 

Diante destas doutrinas, são tão zelosos, a ponto de serem vulneráveis ao fanatismo e ao extremismo, o que é combatido pelas Sagradas Escrituras. Atualmente tende a Congregação para caminhar-se para o espiritismo – a religião de satanás (Gên. 3:4-7). Seus membros tendem a abandonar as bases bíblicas e depender da inspiração individual – revelação – e das práticas fanáticas de seus líderes locais, especialmente das que se relacionam com os chamados “dons espirituais” a tal ponto de um membro que não “for batizado” pelo “espírito Santo” (falando em línguas) tornar-se, em desespero, um membro “menor”, “inferior”, “separado” dos demais “escolhidos” ignorando que Deus não faz acepção de pessoas - & Atos 10:34. 

Podemos notar que, não obstante a Congregação, algumas vezes, usar passagens bíblicas para fundamentar suas crenças e doutrinas, em geral falham no que tange à fiel interpletação dos textos que escolhem. Evidentemente isso se dá mais por ignorância do que por malícia ou compromisso consciente com o erro.

         Vamos analizar algumas destas doutrinas e verificar se elas têm  consistencia bíblica:

 

         1 – O PASTOR: O pastor,  jamais foi colocado como sendo o nosso Sumo Sacerdote! Isto (não ter pastor em sua congregação) está em desarmonia com o ensino bíblico registrado pelo apóstolo Paulo, tão exaltado pelos congregacionalistras, em Efésios; veja: “Mas a graça foi dada a cada um de nós segundo a medida do dom de Cristo.  Pelo que diz: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro e deu dons aos homens... E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores,  querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo até que todos cheguemos à unidade da fé e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo,  para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo vento de doutrina, pelo engano dos homens que, com astúcia, enganam fraudulosamente. (Efésios 4:7, 8, 11-14 RC). Portanto Paulo afirma que:

(a)   O pastor é um dom de Deus à Sua Igreja - & Jer. 3:15.

(b)  A função do pastor tem propósitos específicos dentro da Igreja de Cristo:

1 – O aperfeiçoamento dos santos (separados);

2 – Para o desempenho do serviço divino;

3 – Para edificação do corpo de Cristo.

 

         Quanto ao pastor e sua função junto ao corpo de Cristo, que é a Igreja, declaram ainda  os  apóstolos Paulo e Pedro: Olhai, pois, por vós e por todo o rebanho sobre que o espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue. (Atos 20:28 RC)... apascentai o rebanho de Deus que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto;  nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho. (I Pedro 5:2-3 RC).

         Também alegam que se há pastor que seja “voluntário”. Não remunerado; isto devido à uma má interpretação dos versos de I Pedro, acima, mas isto também é uma recomendação bíblica. Por exemplo:

 

(a) Paulo recebeu salário de determinadas igrejas para servir aos crentes em Corinto (a igreja tão amada pelos congregacionalistas) – & II Cor. 11:8.

(b) O pastor que dá tempo integral na assistência à sua igreja é digno do seu salário - & I Tim. 5:18.

(c) Paulo ensinou a Igreja de Corinto a sustentar os pregadores do Evangelho (parece que eles ainda  não aprenderam) - & I Cor. 9:4-14.

(d) Timóteo foi advertido por Paulo a não cuidar dos negócios seculares para se sustentar - & II Tim. 2:4.

(e) Pedro disse que a única ocupação dele e de seus companheiros de ministério era a oração e a pregação - & Atos 6:4.

(f) Os apóstolos de Jesus viviam das ofertas que recebiam. Em João 12:6 lemos que existia uma bolsa onde eram depositadas as contribuições para o sustento dos discípulos, e Judas fazia as compras com o dinheiro aí depositado - & João 13:9.

 

2 – O USO DO VÉU: Em I Cor. 11:1-17, Paulo escreve uma longa apologia com respeito ao véu e seu uso na comunidade cristã na comunidade de Corinto.

Nos dias da igreja primitiva, a mulher que não usasse véu nos cultos públicos agia como se estivesse raspado – veja bem, raspado e não cortado! – Ora, a cabeça raspada era algo repugnante para os judeus, já que só as adulteras tinham a cabeça raspada como castigo do seu crime - & Núm. 5:18. O mesmo acontecia com as escravas, e, às vezes com a mulher de luto, mas isto não era usual para as mulheres que estavam no seu estado normal...

Paulo, ao escrever à igreja de Corinto – e somente a esta igreja, ele teve esta necessidade – foi porque o problema da prostituição estava muito grande. Muitas mulheres de índole duvidável freqüentavam a igreja (estas quando pegas em flagrante prostituição, tinha os seus cabelos raspados)... Era necessário que as mulheres santas não fossem “confundidas” com estas mais “saidinhas” ao cortarem os seus cabelos e que, portanto, se cortassem os cabelos, então, que cobrissem suas cabeças com o véu. Mas veja que para a cultura judaica, era inadmissível – como ainda  hoje, o é – que mulheres fossem vistas em público sem véu; era uma questão de  costumes sociais...

Quanto à atitude da Congregação é condenável, não pelo uso em si do véu, mas pelo fato de suas mulheres serem “escravas” de uma doutrina não confirmada em nenhum outro ponto das Sagradas Escrituras e também de “não poderem” cortar um fio sequer de seus cabelos – o véu natural da mulher. Também é condenável pela maneira irracional com que condenam o seu desuso nas demais igrejas, fazendo assim, acepção de pessoas...

Interessante também é comentar que os homens não oram se não estiverem de terno (paletó) e de joelhos. Mais uma doutrina não sustentada pela Bíblia. Reverencia é uma coisa, mas vento de doutrinas (sem sustentação bíblica), é outra coisa. Alegam que  Cristo no Getsêmani orou de joelhos e que, portanto, esta é a posição em que Deus nos ouve; veja a passagem de Lucas: E apartou-se deles cerca de um tiro de pedra; e, pondo-se de joelhos, orava, (Lucas 22:41 RC).

Porém Cristo orou e foi atendido em outras ocasiões em outras posições e inclusive na cruz – & Luc. 23:34. Paulo e Silas, acorrentado e preso os seus pés, orou e foi liberto – Atos 16:25. Exemplos temos no Velho Testamento em que as pessoas oravam principalmente em pé com as mãos levantadas ao altos e temos também exemplos inusitados tais como o de Ezequias que orou de pé e rosto voltado para a parede - & II Reis 20:2 ou o de Jonas que orou dentro de um peixe – & Jonas 2:1.

Mas voltando ao Getsêmani: Cristo orou realmente de joelhos ao modo ocidental? Lembre-se que do modo oriental – os judeus são orientais – orar de joelhos é colocar-se de joelhos e rosto ao chão... Veja a mesma passagem do Getsêmani nos outros evangelhos onde temos mais detalhes da posição em que Cristo orou: & Mat. 26:39; Mar.14:35.

Portanto devemos, quando temos oportunidade, orar ajoelhados; em pé quando necessário e até mesmo assentados reverentemente; porém orações de livramento (no transito ou na rua, por exemplo) podem e devem ser feitos até mesmo em pensamentos elevados aos altos...

 

3 – ÓSCULO SANTO: O ósculo – beijo – era uma maneira comum de saudação entre os orientais, muito antes mesmo do estabelecimento do cristianismo. Servia aos judeus nas suas saudações, tanto nas despedidas como na forma de demonstrar afeto. O ósculo era entre os ocidentais uma expressão tão comum quanto o nosso apertar de mãos ou o abraço é entre a nossa cultura.

Na igreja primitiva, o ósculo era apenas uma saudação que pouco a pouco foi sendo transferido à liturgia cristã como um sinal de despedida, principalmente após a Santa Ceia que era feito conforme descrita em João 13:1-17 (inclusive no lava-pés, no suco de uvas e no pão sem fermento,  exemplificado por Jesus). Porém esta pratica – do ósculo -  perdurou apenas até o final do século III.

O ósculo (santo) entre os crentes primitivos não se limitava a ser praticado mulher com mulher e homem com homem, como fazem hoje os irmãos membros da Congregação Cristã do Brasil. Os costumes orientais, indica que o ósculo santo era praticado na testa ou nas mãos, mas nunca nos lábios... E, no Brasil (uma cultura ocidental), é vergonhoso um homem beijar outro homem ou beijar uma mulher que não seja a sua esposa, dentro ou fora da comunidade evangélica. Portanto:

(a) Se os membros da Congregação Cristã no Brasil, praticam o ósculo apenas homem com homem ou mulher com mulher é por que existe um fundo de malícia. E o que dizer sobre os que têm “preferências” escusas... Isto se torna pecado: & Lev. 18:22.

(b) Se os irmãos congregacionalistas se saúdam com o ósculo apenas no decorrer do culto, também estão errados, já que é mostrado na Bíblia que os cristãos primitivos se saudavam assim publicamente – Atos 20:37.

(c) A saudação com ósculo não tem nada de edificante para a igreja uma vez que ela apenas assume feições ritualísticas divorciadas da verdadeira piedade cristã.

(d) Cristo durante o seu ministério não tinha o costume de saudar os Seus discípulos desta forma; veja quando Jesus, após a sua ressurreição ao encontrar as mulheres: E, indo elas, eis que Jesus lhes sai ao encontro, dizendo: Eu vos saúdo. E elas, chegando, abraçaram os seus pés e o adoraram. (Mat. 28:9 RC).

         Em outra ocasião, Ele aparece aos discípulos: E, falando ele dessas coisas, o mesmo Jesus Se apresentou no meio deles e disse-lhes: Paz seja convosco. (Lucas 24:36 RC). Veja o apóstolo João falando sobre estes dias: Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus, e pôs-se no meio, e disse-lhes: Paz seja convosco! (João 20:19 RC). E, oito dias depois, estavam outra vez os seus discípulos dentro, e, com eles, Tomé. Chegou Jesus, estando as portas fechadas, e apresentou-se no meio, e disse: Paz seja convosco! (João 20:26 RC). Aqui também podemos ver que a saudação verbal que eles usam (...paz de Deus) também não é Bíblica (em Filipenses 4:7 não se trata de saudação), já que nestes textos vimos que Jesus saudava os Seus com:Paz seja convosco!

 

         4 – PREDESTINAÇÃO: O fato de a Congregação Cristã no Brasil não pregar o Evangelho pelas ruas e praças, não encontra apoio nas Escrituras. A sua omissão se deve a falsa interpretação que fazem de Mat. 6:5 -  E, quando orares, não sejas como os hipócritas, pois se comprazem em orar em pé nas sinagogas e às esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão. (Mat. 6:5 RC). Deste modo, com medo de serem considerados hipócritas, desobedecem ao imperativo maior de Jesus Cristo – E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. (Mar.  16:15 RC). Como será possível evangelizar o mundo inteiro quando se alcançam apenas aqueles que freqüentam os nossos templos?

         Na parábola da grande ceia, Jesus ensinou o modo como a igreja deve proceder quanto à evangelização: E, voltando aquele servo, anunciou essas coisas ao seu senhor. Então, o pai de família, indignado, disse ao seu servo: Sai depressa pelas ruas e bairros da cidade e traze aqui os pobres, e os aleijados, e os mancos, e os cegos... E disse o senhor ao servo: Sai pelos caminhos e atalhos e força-os a entrar, para que a minha casa se encha. (Luc. 14:21, 23 RC). Segundo a Bíblia:

         (a) Jesus pregou nas ruas (& Luc. 13:26), nas praças públicas (& Mar. 1:15, 20), nos montes (& Mat. 8:1), etc.

         (b) Paulo pregou à beira de um rio e num logradouro público (& Atos 16:13; 17:17). Famosos cristãos do Novo Testamento foram salvos não num culto dentro de um templo, mas onde estavam, nos seus afazeres...

(c) Pedro, André, Tiago e João, foram salvos durante um culto realizado por Jesus, à beira do mar da Galiléia (& Mat 4:18-22).

         (d) Mateus estava na coletoria quando ouviu Jesus dizer: “Segue-me”, e o seguiu (& Mat. 9:9).

         (e) Lídia foi salva à beira de um rio, enquanto ouvia Paulo (& Atos 16:13-15).

         (f) Dionísio e muitos outros gregos foram salvos enquanto ouviam Paulo pregando no Areópago, lugar comum de discussão em Atenas (& Atos 17:34).

         Jesus jamais disse ao pecador: “Vinde ao templo e sereis salvo” (& ---- --:---?), pelo contrário, Ele diz à igreja: ...Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado. Mar 16:15, 16.

         Mas, baseado em Rom. 8:29, 30 que diz: Porque os que dantes conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos.  E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou. (Rom.  8:29-30 RC), crêem que somente os predestinados serão salvos e que, portanto, não importa o que façam, um dia eles entrarão pelas portas de suas igrejas e que “uma vez salvo, salvos para sempre...”, uma doutrina desenvolvida por João Calvino, o fundador da igreja Presbiteriana.

         Porém, esquecem que Deus criou o homem com o “livre arbítrio” e que este um dia “escolheu” pecar (& Gên. 3:7e7), mas na sequência, Deus em Sua benevolência apresentou-lhes o seu plano de salvação (& Gên. 3:15). Desde então Cristo está à disposição de todos que O aceitarem... Quanto à predestinação ela não é bíblica pois, o homem a confunde com a Onisciência divina.

         Contra à predestinação deixou-nos Ele muitos textos bíblicos para combatê-la, Leia:

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. (João 3:16 RC). Veja outros vs. :

II Tim. 2:4; II Ped. 3:9; Eze. 18:22; Mat. 7:21; Jer. 21:8; Apoc. 2:10; Atos 17:30; I Tes. 5:9

Sim, somos predestinados para a Vida! E, somente neste caso é que Deus, em Sua onisciência é que sabe quem “escolherá” se salvar, aceitando a Graça de Cristo.

E nesta escolha Ele não pode interferir: ...então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo. (& Mat. 25:34). Viu? Preparado para o Homem!

Mas no verso 41 do mesmo capítulo temos: Então, o Rei dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos. Percebeu? Preparado para quem? Para o Diabo e não para os homens! A vontade divina é que ninguém pereça...

E lembre-se que em  Atos 10:34 ...falou Pedro, dizendo: Reconheço, por verdade, que Deus não faz acepção de pessoas.

 

         5 – CULTURA & PREGAÇÃO: O Ensino da Congregação Cristã no Brasil de que o pregador não deve buscar a “sabedoria do mundo”, pois o “espírito Santo” colocará na sua boca as palavras certas no momento certo, deve-se a uma interpretação equivocada das seguintes palavras de Jesus: Mas, quando vos entregarem, não vos dê cuidado como ou o que haveis de falar, porque, naquela mesma hora, vos será ministrado o que haveis de dizer.  Porque não sois vós quem falará, mas o espírito de vosso Pai é que fala em vós. (& Mat. 10:19-20 RC). Quando analisamos esta passagem dentro do seu contexto, verificamos que não há nenhuma alusão ao fato de que o crente deve relaxar os estudos e o amor pelo conhecimento geral ou mesmo das Sagradas Escrituras sob a garantia que o espírito Santo colocará na sua boca as palavras necessárias no momento da pregação. Esta passagem se refere à maneira como o crente deve se comportar no momento da provação, no caso de vir a ser conduzido aos tribunais e à presença de governadores e reis por causa do nome de Cristo. Perseguição esta, tão comum naqueles dias. Nos dias de hoje esta passagem e esperança aplica-se muito bem quando somos confrontados com perguntas e contestações doutrinárias da parte de irmãos de outras denominações que apenas querem nos colocar “na parede”. Nesta situação, ore, que o espírito Santo (Jesus) estará presente falando por você!

         Mas, voltando à Bíblia; não poucos versículos insistem na necessidade de o crente buscar maior conhecimento através da leitura, do estudo e de outras formas de aprendizagem. Os mais destacados discípulos de Cristo, disto falaram:

         (a) Salomão: Dá instrução ao sábio, e ele se fará mais sábio; ensina ao justo, e ele crescerá em entendimento. (& Prov. 9:9 RC).

(b) Jesus: E ele disse-lhes: Por isso, todo escriba instruído acerca do Reino dos céus é semelhante a um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e velhas.(Mt. 13:52).

(c) Paulo: Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade. (II Tim. 2:15 RC).

Paulo, cativo em um frio cárcere romano, escreve ao seu amigo timóteo e diz: Quando vieres, traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, e os livros,principalmente os pergaminhos. (II Tim. 4:13 RC). Percebeu a prioridade dada por Paulo aos pergaminhos, a Bíblia dos seus dias, mas por nada abandonava os outros livros de consulta disponíveis nos seus dias...

 

E, na segunda vez que o fez, foi durante a parábola do fariseu e o publicano. Veja: Dois homens subiram ao templo com o propósito de orar: um, fariseu, e o outro, publicano.  O fariseu, posto em pé, orava de si para si mesmo, desta forma: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros, nem ainda como este publicano;  jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho O publicano, estando em pé, longe, não ousava nem ainda levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, sê propício a mim, pecador!  Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque todo o que se exalta será humilhado; mas o que se humilha será exaltado. (& Luc. 18:10-14).

Nesta parábola, Cristo exaltou a oração penitente contra aquele que se vangloriava de seguir toda a Lei; mas de um modo totalmente legalista... Pois o justo não será justificado por obras, e sim por sua fé... Mas a salvação não vem só de fé, mas também por obras - Meus irmãos, qual é o proveito, se alguém disser que tem fé, mas não tiver obras? Pode, acaso, semelhante fé salvá-lo? (& Tiago 2:14 – leia todo o contexto: 2:14-26). Portanto, não só de obras, mas também por obras!

Mais tarde, o apóstolo Paulo voltou a tocar no assunto... Leia: Porque este Melquisedeque, rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, que saiu ao encontro de Abraão, quando voltava da matança dos reis, e o abençoou,  para o qual também Abraão separou o dízimo de tudo...  a quem Abraão, o patriarca, pagou o dízimo tirado dos melhores despojos.  Ora, os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm mandamento de recolher, de acordo com a lei, os dízimos do povo, ou seja, dos seus irmãos, embora tenham estes descendido de Abraão;  entretanto, aquele cuja genealogia não se inclui entre eles recebeu dízimos de Abraão e abençoou o que tinha as promessas.  Evidentemente, é fora de qualquer dúvida que o inferior é abençoado pelo superior.  Aliás, aqui são homens mortais os que recebem dízimos, porém ali, aquele de quem se testifica que vive.  E, por assim dizer, também Levi, que recebe dízimos, pagou-os na pessoa de Abraão.  Porque.26.

Ao lermos o contexto de Hebreus, é importante sabermos discernir sobre qual Lei Paulo esta falando, pois sabemos que uma – a Lei Moral – é um espelho para o homem enxergar em que está desagradando (pecando contra) o Seu Criador; enquanto a outra – a Lei Cerimonial – que apontava para um Redentor, e portanto transitória até que, o sacrifício superior e definitivo, tivesse sido realizado por Cristo, na cruz... veja Heb. 10:12. (leia se possível, toda a carta de Hebreus, sempre tendo em mente que estamos falando – Paulo –  para um povo judeu que não aceitavam ou não compreendiam Cristo, e que continuavam insistindo em seus cerimoniais, em busca da salvação).    

CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL

INTRODUÇÃO

A Congregação Cristã no Brasil (daqui pra frente CCB), é uma organização religiosa quase evangélica, dizemos quase devido as suas inúmeras doutrinas contraditórias que mais se modelam com heresias de inúmeras seitas pseudocristãs. A bem da verdade, uma grande porcentagem delas o são! Muitas das características encontradas nas seitas que lhes fazem ser identificadas como movimentos heterodoxos são também encontradas na CCB, exemplo disso é a crença (não de todos) de que salvação só na CCB. Mas por outro lado a CCB a primeira vista parece ser uma denominação cristã normal como todas as outras, possuem os mesmos hinos, defende o uso da Bíblia, apesar de não incentivar seus membros ao estudo da mesma, possuem usos e costumes nas vestimentas, seu credo doutrinário é impecável (se bem que na prática o negócio é diferente), etc...

Tudo isso ao invés de ser louvável é apenas um laço para os evangélicos menos esclarecidos que pensam poder ter comunhão e considerar-se irmãos junto com os membros da CCB. Entre eles existe até uma expressão que se tornou conhecida entre muitos; para eles nós somos, "os primos" e estamos, "à beira do caminho" da salvação, por que o caminho na verdade, só se encontra na CCB! Você precisa fazer parte da "irmandade"! Com essa aparência de "cristã" eles conseguem angariar através de um proselitismo desonesto (pois são contra o evangelismo), membros de outras denominações evangélicas, os métodos são variados mas o mais usado é o método do sonho e da profecia. Chegam a ponto de profetizar e sonhar falsamente como se fosse Deus chamando as pessoas para sair do que eles chamam de "seitários", para encontrar a "graça" na Congregação. É claro que um neófito na fé que não sabe distinguir entre uma revelação falsa e verdadeira, é presa fácil. Geralmente quando percebem um novo convertido de outra denominação o primeiro passo é lançar dúvidas sobre sua igreja, alertando que lá os pastores cobram dízimos e que o modo de saudação está errado, após isso tratam logo de lançar-lhe um convite para uma visita em sua igreja, daí é só um passo para o re-batismo. Após a pessoa se tornar um "congregado" e entrar para a "irmandade", ele já se sente superior aos demais crentes, é o primeiro sintoma de quem se filia a CCB! Por isso, fazem jus ao apelido que lhes dão de, "pescadores de aquário."

Organização

Existe uniformidade doutrinária que é mantida através de assembléias anuais, onde é reunidos o corpo sacerdotal (anciãos, cooperadores e diáconos) por três dias. A princípio estas eram realizadas apenas na cidade de São Paulo, porém o número de pessoas fez como que tivessem que ser regionalizadas.

 Atualmente acontecem em cinco locais diferentes do país (norte, nordeste, centro-oeste, sudeste e sul).
Mantém uma cultural oral, não tem publicações (só o relatório anual), não recomenda a leitura de literatura específica, somente a Bíblia.

Não existe cobrança de dízimo e nenhum cargo é remunerado. O resultado das coletas realizadas mensalmente é dirigido para construção de templos, obras de caridades e viagens missionárias. Entretanto não é a direção da igreja que decide o percentual de valores a ser empregado em cada um dos itens, mas o próprio fiel que, querendo dá sua oferta, indica onde quer que seja empregado.

A Congregação não participa de atividades políticas e não indica candidatos.

A administração material é centralizada, em grandes pólos regionais e praticamente inexiste autonomia das congregações locais. Não se sabe o número de membros pois não há estatística a respeito. Seu crescimento pode ser dimensionado através do número de construção de templos, que na cidade de São Paulo tem correspondido a uma média de 1,3 por mês. Desde sua fundação até o momento, onde nós sabemos, há duas dissidências, a "Cristã Universal Independente" e a "Congregação Cristã do Brasil Renovada".

HISTÓRICO

O fundador da "Congregação Cristã no Brasil, Louis Francescon, nasceu em Cavasso Nuovo, província de Udine, Itália, em 29 de Março de 1866. Ainda jovem imigrou-se para os Estados Unidos da América onde teve seu primeiro contato com o evangelho de Cristo através da igreja Valdense. Logo após, fundou com a ajuda de alguns crentes a igreja Presbiteriana Italiana, no entanto seu questionamento sobre o batismo por aspersão não permitiu tão pouco sua permanência nessa denominação, desligando-se dela algum tempo depois. Em 1907 quando florescia nos E.U.A o movimento pentecostal, Francescon tomou conhecimento dele através do pastor batista Willian H. Durham um dos pioneiros do movimento pentecostal sendo batizado no “Espírito Santo” nesse mesmo ano. Em 1909, Louis Francescon e seu companheiro Giacomo, também pioneiro do movimento pentecostal na Itália, por “mandamento divino”, chegam a Argentina e posteriormente ao Brasil em 8 de Março de 1910. Tendo começado em São Paulo e no Paraná fundaram de inicio uma igreja com vinte pessoas re-batizadas, oriundas de diversas denominações evangélicas tais como: Batistas, Presbiterianas, Metodistas e curiosamente apenas um católico. Seu campo de pregação se deu principalmente entre colônias italianas, o movimento se espalhou depois por todo o território nacional.

DOUTRINAS

O credo doutrinário da CCB como já dissemos, é igual a todos os credos das igrejas evangélicas e pentecostais. Acontece que na prática a CCB fica à margem das igrejas evangélicas, não possui o caráter de denominação evangélica. Vejamos algumas doutrinas estranhas praticadas e professadas pela CCB.

SALVAÇÃO SÓ NA CCB

A "maioria" dos adeptos da Congregação Cristã no Brasil (CCB) defende a idéia errônea de que salvação só é possível na sua própria Igreja: a "Gloriosa Congregação". Desenvolveram a doutrina de auto salvação, ou seja, salvação só entre a irmandade! Essa doutrina, estranha às Escrituras Sagradas, faz com que os seus adeptos pratiquem um proselitismo agressivo com os outros evangélicos. Isso é herança herdada de sua origem Presbiteriana que possuía pontos calvinistas extremos. A Bíblia deixa claro que para sermos salvos não precisamos da CCB. O que diríamos então das outras igrejas que existiam antes da CCB, não estavam salvos? Ou Jesus precisaria esperar a vinda de Francescon em 1910 para ai então poder começar a salvar as pessoas?! Mas a Bíblia discorda disso e afirma que:

"E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, em que devamos ser salvos" (At.4:12)

"Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem" (I Tim.2:5).

"Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim" (Jo.14:6).

Tenho ainda outras ovelhas que não são deste [aprisco]; a essas também me importa conduzir, e elas ouvirão a minha voz; e haverá um rebanho e um pastor”  (João 10:16).

Admitir que só uma certa denominação pode salvar o homem é um pecado terrível, visto que quando a CCB se coloca como a única igreja verdadeira está tomando o lugar do único Salvador. A Bíblia é clara que só Jesus é o caminho e não há mediador entre Deus e o homem a não ser Jesus Cristo. As Igrejas são apenas o meio que leva o homem ao fim, que é a salvação através de Jesus Cristo. Portanto segundo o resquício da doutrina da predestinação todos que porventura um dia terão que ser salvo, virão mais cedo ou mais tarde, à Congregação.

A CCB É CONTRA O ESTUDO DA BÍBLIA ?

Não é raro ouvir um membro da CCB dizer que "a comida servida na igreja dele é melhor por que sai na hora, pois Deus fala na boca do ancião, enquanto que a do outro é comida fria pois seu pastor precisa ficar "estudando" a Bíblia para poder lhes falar eu mesmo já recebi tal resposta!

O culto na CCB parece mais uma reunião de adivinhos do que um culto de louvor e adoração a Deus. Seus membros ficam esperando que Deus abra a boca do ancião e fale através dele. Dessa maneira ficam esperando soluções imediatistas de seus lideres. Abrem a Bíblia aleatoriamente e onde cair o texto é feito um breve comentário. São os profetas do óbvio! Profetizam e pregam aquilo que é patente aos olhos de todos. Por exemplo na hora das revelações é dito pelo ancião que, "Aqui existe irmãos que estão passando por grandes lutas, mas Deus manda lhe dizer que vai te dar vitória!". Assim o adepto sai com a impressão de que "Deus falou" com ele. Entendemos agora por que os membros da CCB entre outros motivos, não estudam a Bíblia, pois é mais fácil ouvir instantaneamente o que já se deseja ouvir do que ir meditar e estudar na Lei do Senhor e extrair dela os sábios conselhos para os problemas do dia-a-dia. Alegam que para qualquer coisa que vão fazer precisam ser "iluminados" pelo “Espírito Santo”!

Sem dúvida o Santo espírito opera poderosamente na vida de sua Igreja. Contudo a fé nos ensina a crer em Jesus que age, onipresentemente através de Seu espírito e nos submete à Sua direção, e é essa crença que nos leva a preparar-nos pelo exame das Sagradas Escrituras, que é a Palavra de Deus. Diz as Bíblia:

"Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna; e são elas que dão testemunho de mim"(Jo.5:39).

"até que eu vá, aplica-te à leitura, à exortação, e ao ensino" (I Tm.4:13).

"Quando vieres traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, e os livros, especialmente os pergaminhos" (II Tm.4:13).

"Procura apresentar-te diante de Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade"(II Tm.2:15).

"antes tem seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei(a Bíblia) medita( estuda, lê) de dia e noite"(Sl.1:2).{grifo meu}

"Buscai no livro do Senhor, e lede" (Is.34:16).

"Não se aparte da tua boca o livro desta lei, antes medita(leia, estude) nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme tudo quanto nele está escrito; porque então farás prosperar o teu caminho, e serás bem sucedido" (Jos.1:8).

            A CCB não valoriza e nem incentiva o estudo sistemático da Palavra de Deus, pelo contrário dizem que o cristão não precisa estudar a Bíblia, pois na hora o “Espírito Santo” falará instantaneamente pelo crente. Os textos acima falam por si e deixa bem claro que devemos estudar a Bíblia e até lermos bons livros cristãos. O que a CCB se esquece é que o Espírito de DEUS só usa um cristão que tem prazer na Palavra do Senhor e que nela medita dia e noite. Jesus disse:

"Mas o Ajudador, o espírito Santo a quem o Pai enviará em Meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto Eu vos tenho dito" (Jo.14:26).

Responda-me: O que o espírito lembrará? A resposta é o que Jesus “falou”. E onde está relatado o que Jesus Falou? É lógico, na Bíblia, ou seja, quem não estuda a Palavra de Deus e livros afins, não têm como ser usado pelo espírito de Deus eficazmente. Jesus não tem como lembrar-nos algo que nós não conhecemos!

OBJEÇÕES:

Geralmente quando estamos dialogando com um adepto da CCB não é raro recebermos como respostas textos bíblicos como o de Lucas 12:12 e João 14:16,17. Fazem isso para demonstrarem que seus ensinamentos estão baseados na Bíblia. Entretanto, tais argumentos não resistem a um exame minucioso do texto bíblico, pois foram tirados fora de seu contexto.Vejamos o primeiro:

"Porque o espírito Santo vos ensinará na mesma hora o que deveis dizer."

RESPOSTA: Este versículo de maneira alguma está ensinando o crente não estudar a Bíblia.
Ele está dentro de um contexto onde Jesus incentiva seus discípulos a confiarem em Deus nas horas de tribulação que viria nos tribunais perante os homens. É só ler os versos acima começando pelo versículo 4. Isto se cumpriu integralmente na vida dos apóstolos, por exemplo, em Atos capítulo 4 ; 5:27 em diante; 22:30 capítulo 23 em diante; capítulo 24 em diante. Nota-se em todos esse textos que a sabedoria com que falavam provinha é claro do espírito Santo, no entanto eles fazem citações de profecias do Velho Testamento que para uma pessoa que não estudasse as escrituras era impossível fazer devido ao manuseio do livro da lei que era bem diferente de nossas Bíblias de hoje dividida em capítulos e versículos inclusive com tópicos. Mas naquela época não havia nada disso!

Costumam citar ainda o velho e costumeiro jargão: "A letra mata mas o espírito vivifica", baseam-se para isso em II Co. 3:6.

RESPOSTA: Novamente os adeptos da CCB incorrem em grave erro por não conhecerem as escrituras. O apóstolo está discutindo neste capítulo sobre as duas alianças, os dois ministérios, o da graça, e o da lei dada por Moisés. Ele diz realmente que a letra mata, mas qual letra? Estaria o apóstolo ensinando com isso que não se deve estudar a Bíblia? Não. O verso 7 responde: "Ora, se o ministério da morte, gravado com letras em pedras, veio em glória, de maneira que os filhos de Israel não podiam fixar os olhos no rosto de Moisés, por causa da glória do seu rosto, a qual se estava desvanecendo". O que foi gravado com letras em pedras? Êxodo 32:16 e 34:1 responde: "E virou-se Moisés, e desceu do monte com as duas tábuas do testemunho na mão, tábuas escritas de ambos os lados; de um e de outro lado estavam escritas."

"E aquelas tábuas eram obra de Deus; também a escritura era a mesma escritura de Deus, esculpida nas tábuas" e "Então disse o Senhor a Moisés: Lavra duas tábuas de pedra, como as primeiras; e eu escreverei nelas as palavras que estavam nas primeiras tábuas, que tu quebraste."

O espírito o qual o apóstolo diz que vivifica é o espírito da nova aliança dentro da dispensação da graça. Pois na Lei de Moisés qualquer um que a infringisse morreria, ou seja, a letra da lei matava, condenava, julgava, todavia na dispensação da graça ou do espírito, não há morte, mas vida, Ele nos dá poder para vencer, o que a Lei de Moisés não podia fazer. Se não podemos estudar a palavra de Deus (a letra), por que isso, segundo eles, seria lançar mão de obras da carne, então por que os músicos estudam a letra da música ? Não é o espírito que ilumina na hora certa ? Por que estudar então ? Na verdade os membros da CCB conhecem muito mais seu hinário do que a Bíblia! Vejamos ainda outro:

NOTA: Na realidade do plano da Salvação, a Lei jamais “matou” pois ela, segundo Paulo, apenas reflete em que temos pecado contra o Criador... e, se “mata” não o faz para o que a Bíblia considera ser a primeira morte, mas sim a segunda morte – para a morte eterna – pois como pode um pecador não arrependido obter a Vida Eterna, senão a morte eterna?

"Além disso, filho meu, sê avisado. De fazer muitos livros não há fim; e o muito estudar é enfado da carne." Eclesiastes 12:12

RESPOSTA: O escritor de Eclesiastes não diz que estudar a lei de Deus que naquele tempo constituía a palavra de Deus ou a Bíblia dos Hebreus era enfado da carne. Mas o estudar as coisas seculares do mundo! No capítulo 1:18 ele diz: "Porque na muita sabedoria há muito enfado; e o que aumenta o conhecimento aumenta a tristeza." Mas qual conhecimento ele esta a falar ? É claro que é somente ao conhecimento do mundo da carne como ele deixa bem transparecer nos versos a seguir: "(12) Eu, o pregador, fui rei sobre Israel em Jerusalém. (13) E apliquei o meu coração a inquirir e a investigar com sabedoria a respeito de tudo quanto se faz debaixo do céu; essa enfadonha ocupação deu Deus aos filhos dos homens para nela se exercitarem. (14) Atentei para todas as obras que se fazem debaixo do sol; e eis que tudo era vaidade e desejo vão. (15) O que é torto não se pode endireitar; o que falta não se pode enumerar. (16) Falei comigo mesmo, dizendo: Eis que eu me engrandeci, e sobrepujei em sabedoria a todos os que houve antes de mim em Jerusalém; na verdade, tenho tido larga experiência da sabedoria e do conhecimento. (17) E apliquei o coração a conhecer a sabedoria e a conhecer os desvarios e as loucuras; e vim a saber que também isso era desejo vão."

PORQUE DEVEMOS ESTUDAR A BÍBLIA

a) Ela é o manual do crente na vida cristã e no trabalho do Senhor. O crente foi salvo para servir ao Senhor (I Pe 2:9; Ef.2:10). Sendo a Bíblia o livro texto do cristão, é importantíssimo que este a maneje bem para o eficiente desempenho na missão de pregar o evangelho, pois todos somos chamados para isso. Todo bom profissional sabe usar bem a sua ferramenta, e poderíamos dizer que todo bom crente sabe manejar bem a sua Bíblia.

b) A Palavra de Deus Alimenta a nossa Alma. Disse Jesus: "Mas Jesus lhe respondeu: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus" (Mt.4:4).

c) A Palavra de Deus é a espada que o espírito Santo usa. "e a espada do espírito, que é a palavra de Deus" (Ef.6:17).

d) Só através do estudo da Bíblia é que iremos conhecer a vontade de Deus para nossas vidas.
Quem não estuda a Bíblia não sabe o que Deus quer para sua vida, pois só na Palavra encontramos a verdade. Leiamos:

"Se vós permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito" (Jo.15:7)

O USO DO VÉU E DO CABELO

Os legalistas da CCB dizem que a mulher que corta os seus cabelos vai para o inferno e outros ainda acrescentam que é importante e necessário o uso do véu no culto. Alguns chegam a afirmar que o cabelo pela sua importância é misteriosamente guardado em uma caixa de ouro celestial depois de cortado. Veja que absurdo, chegam a inventar lendas para provarem uma doutrina espúria, como essa! O texto, do qual a CCB tirou essa aberração doutrinária é I Cor.11:1-16.

 Logo abaixo iremos mostrar que o cabelo e o véu, ou qualquer doutrina que o homem possa inventar, jamais poderá substituir a graça de Deus.

Todavia para extrairmos uma interpretação correta do referido texto, iremos analisar a opinião de alguns teólogos e historiadores, que com toda segurança e sinceridade escreveram sobre o assunto. Segue abaixo o comentário do livro do - Dr. OPINAM C. Stamps:

"Paulo sustenta que o homem é a cabeça da mulher. Este fato subentende a subordinação da mulher. Deste modo, estabelece-se uma cadeia de comando: Deus, Cristo, o homem, a mulher. A partir desta proposição deduzem-se decorrências práticas. As mulheres estão erradas, se de qualquer forma, modificam suas diferenças em relação aos homens. Esta admoestação é verdadeira em qualquer circunstância. Paulo dá o exemplo da diferença no vestir . Uma das maneiras de se ver esta diferença estava na maneira dessas mulheres manterem o cabelo. Este devia permanecer de tal maneira que distinguissem os homens das mulheres. O cabelo da mulher simbolizava sua submissão e lealdade a seu marido (por causa do costume da época). Paulo também declara que o cabelo longo é uma vergonha para o homem."

            O Comentário da Bíblia Explicada:

            "A mulher cobria a cabeça nos dias de Paulo, como sinal de modéstia e subordinação ao marido, e para demonstrar a sua dignidade. O véu significava que ela devia ser respeitada e honrada como mulher casada. Sem véu, ela não tinha dignidade; os homens não respeitavam mulheres sem véu, pois deste modo elas se exibiam pública e indecorosamente. Sendo assim, o véu era um sinal do valor, da dignidade e da importância da mulher conforme Deus a criou (conceito da época). O princípio subjacente no caso do véu, ainda é necessário hoje. A mulher cristã deve vestir-se de modo modesto e cuidadoso, honroso e digno, para sua segurança e seu devido respeito aonde quer que for. A mulher, ao vestir-se de modo modesto e apropriado para a glória de Deus, ressalta a sua própria dignidade, valor e honra que Deus lhe deu. Era costume oriental, no tempo dos apóstolos, a mulher cobrir o rosto com o véu quando andava nas ruas , porém podia dar-se o caso, enquanto ela lavava roupa no córrego, passar algum homem, e encará-la. Mesmo assim, no caso de não ter o véu disponível, teria um recurso: cobrir o rosto, com o seu cabelo comprido. Assim ela ter cabelo comprido lhe era "honroso", mostrando que não era mulher destituída de pudor."

            Citarei ainda o Manual Bíblico do Dr. Halley:

            "Era costume nas cidades gregas e orientais as mulheres cobrirem a cabeça, em público, salvo as mulheres devassas (prostitutas). Corinto estava cheia de prostitutas, que funcionavam nos templos (de Afrodite). Algumas mulheres cristãs, prevalecendo-se da liberdade recém achada em cristo, afoitavam-se em pôr de lado o véu nas reuniões da igreja, o que horrorizava as outras mais modestas. Diz-lhes o apóstolo que não afrontem a opinião pública com relação ao que é considerado conveniente à decência feminil. Homens e mulheres têm o mesmo valor a vista de Deus. Há, porém, certas distinções naturais entre homens e mulheres, sem as quais a sociedade humana não poderia existir. Mulheres cristãs vivendo em sociedade pagã (pessoas que não conhecem a Deus), devem ser cautelosos sem suas inovações, para não trazer descrédito à sua religião. Geralmente vai mal quando as mulheres querem parecer homens."

            NÃO DEVEMOS DAR VALOR AO QUE NÃO É VALORIZADO

            A verdade é que o uso do véu era algo peculiar da igreja dos Coríntios, era um problema local. Não podemos transforma-lo em doutrina universal para a igreja! Mesmo porque, o apóstolo nunca jamais ensinou sobre o uso do cabelo e do véu para outras igrejas. Em nenhuma outra epístola iremos encontrar tal ensinamento. Contudo se as mulheres da CCB fossem praticar realmente o versículo, teriam que usa-lo fora da igreja também como fazia as mulheres da época, e não somente durante o culto! Tudo isso mostra a incoerência da CCB em sustentar uma doutrina extra bíblica.

            É oportuno chamar a atenção para dois textos do V.T sobre esse tema:

"Então, se rapará;" (aqui está se referindo a purificação do leproso, independentemente do sexo) - Levítico 13:33

            "Então, a trarás para a tua casa, e ela (a mulher) rapará a cabeça."(lei acerca da mulher prisioneira) - Deuteronômio 21:12.

            Nestes dois textos vemos a Lei de Deus determinar que o cabelo da mulher fosse rapado.
No primeiro caso temos a purificação da mulher leprosa, que quando curada da lepra tinha que rapar totalmente a sua cabeça. Depois, o caso da mulher que era presa nas guerras e trazida para o meio do povo de Deus, esta para ser recebida entre o povo, deveria rapar a cabeça.

            Veja que Deus poderia curar a mulher leprosa sem ser necessário determinar que sua cabeça fosse rapada. Creio que a mulher capturada na guerra poderia ser recebida entre o povo judeu sem precisar mexer no seu cabelo, mas acredito que nesses textos Deus quer nos ensinar algo maravilhoso. Pense nisso: "Se o cabelo fosse tão importante, como muitas vezes é pregado na CCB, será que nesses dois textos Deus ordenaria o seu corte a ponto de que essas mulheres ficassem rapadas ?"

            A interpretação correta, do referido texto (I Cor.11:1-16), ocorre pela comparação com Gênesis 38:14-15. Lendo bem os dois textos chega-se a conclusão que o que é pregado sobre o cabelo e o véu é um tanto, falta de informação e conhecimento de cultura e costumes bíblicos. Para os coríntios o cabelo (que era dado em lugar do véu), é sinônimo de santidade e honra, mas o mesmo véu em Gênesis é usado como disfarce para Tamar (nora de Judá) passar-se por uma prostituta. Não podemos entender isso se não levarmos em conta os costumes da época e seus valores históricos.
Endossamos plenamente o que Paulo disse: "Mas, se alguém quiser ser contencioso, nós não temos tal costume, nem tampouco as igrejas de Deus" (I CORÍNTIOS 11:16). Mas parece que a CCB passa por cima deste versículo e continua criando contendas com outras igrejas por causa do uso do véu!

            A CCB É CONTRA O MINISTÉRIO PASTORAL

            Os membros da CCB costumam dizer que em sua igreja não existe pastor, pois o único pastor deles é Jesus. Costumam chamar o líder ou dirigente da igreja de "ancião". A palavra pastor tomou um tom pejorativo entre eles. Costumam falar sobre como devemos tomar cuidado com os falsos pastores e como eles enganam as pessoas! Mas se há o falso é notório que há também o verdadeiro. Não podemos desprezar uma nota verdadeira por que no mercado está correndo dinheiro falsificado!!!

Embora a CCB não aceite o Ministério pastoral a Bíblia contudo é clara sobre o assunto:

"e vos darei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência" (Jr.3:15).

"E levantarei sobre elas pastores que as apascentem, e nunca mais temerão, nem se assombrarão, e nem uma delas faltará, diz o Senhor" (Jr.23:4).

"E ele (Jesus) deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres" (Ef.4:11).

"Lembrai-vos dos vossos pastores, os quais vos falaram a palavra de Deus, e, atentando para o êxito da sua carreira, imitai-lhes a fé" (Hb.13:7).

"Obedecei a vossos pastores, sendo-lhes submissos; porque velam por vossas almas como quem há de prestar contas delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil" (Hb.13:17).

Na CCB não é possível obedecer aos textos acima, pois eles não aceitam o ministério pastoral. Isto é apenas uma questão de lógica: "Cristãos são ovelhas e ovelhas são submissas a um pastor humano levantado por Cristo" (Leia: Ef.4:11; Hb.13:7 e 17). A verdadeira Igreja de Jesus Cristo têm pastor, sendo assim a CCB está fora dos parâmetros dessa realidade. Dizem que um homem não pode ser pastor de uma igreja, mas quem afirmou que nos daria pastores, foi o próprio Deus! Desobedecer a isso é afrontar o que Ele determinou; é insurgir contra sua autoridade e Palavra. As alegações da CCB são no mínimo infantis e de uma pobreza franciscana! O texto mais usado por eles é João cap.10 que diz: "Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem", mas mesmo este texto não representa nenhum obstáculo ao ministério pastoral, muito pelo contrário - o confirma. Outro texto muito usado é o Sl.23 - "O Senhor é o meu pastor" e realmente o Senhor é o Sumo Pastor (I Pe.5:4) e se há sumo pastor é claro que há também subpastores ou pastores apenas, assim como no antigo Israel havia Sumo Sacerdote e também os sacerdotes auxiliares. Ora, a Bíblia diz que Jesus é nosso Sumo Sacerdote (Hebreus 8:1) mas também diz que nós somos sacerdotes igualmente (Apocalipse 1:6). Veja que um, não exclui o outro, da mesma maneira acontece com o cargo de pastor.

Para encerrar gostaríamos de fazer a seguinte pergunta: Os anciãos da CCB não apascentam as ovelhas; com conselho, instrução e pregações? É claro que sim.Tenho para mim que os anciãos da CCB fazem o papel de pastor porém sem usar o rótulo. E o próprio Jesus ordenou isso a Pedro: "Disse-lhe Jesus: Apascenta as minhas ovelhas."

            SÃO CONTRA O SUSTENTO DO OBREIRO

            "Outras igrejas despojei, recebendo delas salário, para vos servir" (II Cor.11:8).

            Paulo recebeu salário de certas igrejas em seus dias para servir aos crentes de Corinto. A CCB, porém, afirmam que o pastor ou obreiro que recebe salário é mercenário e ladrão. Prefiro ficar com a Bíblia a ficar com as opiniões da CCB. A respeito do salário e sustento do pastor ou obreiro a Bíblia diz ainda, entre outras coisas, o seguinte:

a)       O pastor ou obreiro que se dedica à obra ministerial é digno do seu salário (I Tm.5:18).

b)      Paulo ensinou a Igreja de Corinto a sustentar os obreiros do evangelho (I Cor.9:4-14).

c)       O mesmo apóstolo Paulo advertiu ao pastor Timóteo a não cuidar de negócios terrenos com o fim de sustentar-se , dedicando-se somente a pregação do evangelho (II Tm.2:4).

d)       O apóstolo Pedro disse que a única ocupação dele e de seus companheiros de ministério eram a oração e a pregação do evangelho (At.6:4).

e)       Simão e André abandonaram a profissão que exerceram por anos para se dedicarem unicamente ao ministério da Palavra (Mc.1:18).

f)         Os apóstolos e Jesus viviam das ofertas que recebiam. Em João 12:6 lemos que havia uma bolsa para receber as ofertas, bolsa essa que Judas tirava o que podia, mas que mesmo assim mantinha dinheiro para comprar pão que sustentasse uma multidão (Jo.6:5-7).


Diante disto, quem se opõe ao sustento dos pastores e obreiros opõe-se à própria Palavra de Deus.

            Seu sistema de doações

O sistema de ofertas na CCB funciona da seguinte maneira:

1.       Oferta da Piedade.

2.       Oferta para compra de terreno.

3.       Oferta para fins de viagem. (para anciãos irem à Terra Santa).

4.       Oferta para conservação de prédios.

5.       Oferta de votos.

NOTA: O sistema de dízimo é uma excelente forma de sustentar, assim como sustentou o sacerdócio levita, a igreja de Cristo... Porém, como o sacerdócio levítico acabou na cruz, Paulo exorta os crentes do Novo Testamento a fazer TUDO de coração, pois somente assim estaríamos agradando a DEUS com o nosso dinheiro (dízimos e ofertas) – II Cor 9:7

NOTA  - O contexto de Malaquias começa no cap 2 e mostra que os sacerdotes levitas roubavam o povo e hoje os homens usam este livro para mostrar a nossa obrigatoriedade para com o dízimo, porém se for entregue com o único objetivo de uma possível retribuição divina (bênçãos) estaremos incorrendo no erro dos fariseus sequiosos de “boas obras” para alcançarmos a vida eterna – João 17:3

A CCB ACEITA A BEBIDA ALCOÓLICA

            A embriagues devido ao uso de bebidas alcoólicas entre os membros da CCB já lhes valeram o apelido de "Congregação Cristã do Barril". Isto porque, em suas festas sociais como as de casamento e outras, não se intimidam em se embriagarem perante crentes e incrédulos.

            Há casos reais de membros da CCB que foram flagrados ensaiando seus hinos para o culto à noite totalmente embriagados. Mas isto é o de menos, em comparação com o caso de um ancião que teve de ser carregado para cima do púlpito, pois estava cambaleando de bêbado!

            Os membros da CCB desde os jovens até os adultos dão um verdadeiro show de mau testemunho para com os que estão de fora. Para esses, cai como uma luva as palavras do apóstolo Paulo: "Assim pois, por vossa causa, o nome de Deus é blasfemado entre os gentios..." (Romanos 2:24).

            A CCB alega que beber socialmente, ou seja, sem se embriagar não é pecado. Entretanto não é isso o que a Palavra de Deus nos afirma.

            O beber socialmente tem sido o argumento que tem levado a muitos á beira da escravidão alcoólica. Haja vista que alguns começaram com uma simples bala de licor para hoje estarem viciados na bebida. Os centros de recuperação de "alcoólicos anônimos" continuam lotados enquanto que sistemas religiosos como o da CCB, tem se escondido atrás da alegação do diabo, de que os irmãos podem beber, é só tomarem cuidado para não se embriagarem!

            Mas voltemos à palavra de Deus, vejamos o que ela tem a nos dizer quanto a isso: "Ai daquele que dá de beber ao seu próximo, adicionando à bebida o seu furor, e que o embebeda para ver a sua nudez! Serás farto de ignomínia em lugar de honra; bebe tu também, e sê como um incircunciso; o cálice da mão direita do Senhor se chegará a ti, e ignomínia cairá sobre a tua glória" (Hb.2:15-16).

            "Mas também estes cambaleiam por causa do vinho, e com a bebida forte se desencaminham; até o sacerdote e o profeta cambaleiam por causa da bebida forte, estão tontos do vinho, desencaminham-se por causa da bebida forte; erram na visão, e tropeçam no juízo" (Is.28:7).

            "Não é dos reis, ó Lemuel, não é dos reis beber vinho, nem dos príncipes desejar bebida forte; para que não bebam, e se esqueçam da lei, e pervertam o direito de quem anda aflito"(Pv.31:4-5).

            "O vinho é escarnecedor, e a bebida forte alvoroçadora; e todo aquele que neles errar não e sábio" (Pv.20:1).

            "Não olhes para o vinho quando se mostra vermelho (fermentado), quando resplandece no copo e se escoa suavemente" (Pv.23:31).

            "Beberão, e cambalearão, e enlouquecerão, por causa da espada, que eu (o Senhor) enviarei entre eles" (Jr.25:16).

            Os textos acima falam por si e não deixa dúvidas quanto à vontade de Deus em relação a bebida alcoólica. Entretanto vamos ainda falar do sacerdócio cristão.

            OBJEÇÕES: Grupos religiosos que admitem bebida alcoólica como é o caso da Congregação, costumam se estribar na passagem da santa ceia onde Jesus ingeriu vinho. Raciocinam então: Se Jesus bebeu, nós podemos beber também!

            RESPOSTA: Os evangelhos sinóptico empregam a expressão: "fruto da vide" (Mat. 26:19 ; Mc. 14:25 ; Lc. 22:18).

            O fruto da vide é o único vinho verdadeiramente natural contendo aproximadamente 20% de açúcar e nenhum álcool. A fermentação destrói boa parte do açúcar e altera aquilo que a videira produziu. O vinho fermentado não produzido pela videira. O Senhor instituiu a ceia quando Ele e seus discípulos estavam celebrando a páscoa. A lei da páscoa em Êxodo 12:14,20 proibia durante a semana daquele evento a presença de "seor" (Êxodo 12:15) palavra hebraica para fermento ou qualquer agente fermentador, seor no tempo antigo era obtido especialmente da espuma espessa da superfície do vinho quando em fermentação. Além disso todo o "hametz", ou seja, qualquer coisa fermentado era proibido (Ex. 13:7; 12:19). Deus dera essa lei por ser a fermentação o símbolo da corrupção e pecado. Sendo exatamente isso o que causa a bebida alcoólica no homem. O vinho da ceia de maneira alguma era fermentado tendo o teor de bebida forte!

            OBJEÇÃO: Alegam ainda que Jesus não só transformou água em vinho na festa de casamento em Cana da Galiléia como também o bebeu, e acrescentam que aquele vinho não era o da santa ceia mas vinho comum.

            RESPOSTA: Faz-se necessária uma nota de esclarecimento a respeito desta passagem. Comenta o pastor Antonio M. N. Vieira em lições bíblicas que:

            "A palestina, antiga Canaã, sempre foi um dos maiores produtores de uva do mundo (Nm 13:23). Por isso, seus moradores produziam diversos tipos de vinho, ou seja, com e sem fermento, azedo, etc. No versículo em apreço (2.3), encontramos o termo grego "oinos" (suco), "yayin" (em hebraico), diferente de "sikera" (palavra semítica) e "shêkhâr" (hebraico) que significam "bebida forte", alcoolizada (Lc 1.15), e "gleucos" (grego), "bebida embriagante" (At 2:13)
O vinho sem fermento "oinos", era muito apreciado por todos, pois além de estimulante ao apetite, era um fortificante para o sangue e alimento protético para o organismo (Lc 10:34) ...o Filho de Deus fez questão de estabelecer o fruto da vide ("oinos" – sem fermento, assim como o pão; mesmo assim tem denominação que usa miolo de pão em sua ceia) como símbolo do seu sangue que ia ser derramado, para a remissão de nossos pecados ( Mt 26:27-29; 1 Co 11:25)."

            O SACERDÓCIO CRISTÃO

            Falou também o Senhor a Arão, dizendo: Não bebereis vinho nem bebida forte, nem tu nem teus filhos contigo, quando entrardes na tenda da revelação, para que não morrais; estatuto perpétuo será isso pelas vossas gerações, não somente para fazer separação entre o santo e o profano, e entre o imundo e o limpo,(Lv.10:8-10).

            De acordo com o texto de Levítico nenhum sacerdote deveria beber bebida alcoólica, a fim de desempenhar suas funções sacerdotais diante de Deus. A pergunta é: Isso é também para a Igreja de Jesus? Leiamos: Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as grandezas daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz (IPe.2:9). O apóstolo Pedro está falando a respeito da Igreja de Jesus e notem que ela é chamada de "sacerdócio real". Deus levantou uma Igreja sacerdotal, ou seja, intercessora que ora em favor do mundo. E é claro que o nosso Deus que da Lei trouxe a graça não mudou seus padrões de santidade e requerem de nós as mesmas coisas. Vejamos ainda: "...e nos fez reino, sacerdotes para Deus, seu Pai, a ele seja glória e domínio pelos séculos dos séculos. Amém" (Ap.1:6).

            "...e para o nosso Deus os fizeste reino, e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra" (Ap.5:10).

Quando aceitamos o Senhor Jesus como sendo nosso único salvador nos tornamos sacerdotes de Deus. E como tais devemos cumprir a Palavra que diz: "Não bebereis vinho nem bebida forte". (Lv.10:8).

 Em nossa cidade temos várias casas de recuperação de alcoólatras e muitas delas não são religiosas. Em conversa com alguns que lideram essas casas fiquei surpreso com as suas convicções. Disseram-me que uma das maiores hipocrisias da sociedade é o "beber socialmente". Continuou dizendo-me que todo alcoólatra começou com uma pequena dose de cerveja por exemplo. Alguns até gostariam que fosse crime o consumo dessas bebidas, visto que fazem mais mal que outras drogas proibidas.Veja o depoimento de José M. de Melo, ex-alcoólatra, hoje ministro do evangelho:

            "A incontestável realidade é que o beber apenas um aperitivozinho diariamente não nos outorga nenhum privilégio. Preferível lhe seria...sofrer uma terrível e nauseante "ressaca", por embriagar-se desenfreadamente uma única vez na vida, que paulatinamente ir sendo envolvido pelo álcool..." ( Da Escravidão Alcoólica à Libertação Cristã; pág. 21 ed. 1982).

            Como cristão, ao ouvir esses depoimentos, fiquei mais convicto que devemos nos abster desse veneno que é a bebida. Como sacerdote de Deus não tenho dúvidas quanto ao álcool.

Meu ministério sacerdotal não pode ser quebrado por esse repugnante vício. Você que é servo de Deus não deve se envolver com esse mal e sim tirar os que nele estão envolvidos. Imagina como alguém que bebe poderá pregar e dar bom testemunho à um viciado que se encontra possuído pelo álcool ? Dizer que Jesus liberta ? Isto seria bater de frente com Romanos cap.2 que afirma o seguinte: 21 "tu, pois, que ensinas a outrem, não te ensinas a ti mesmo? Tu, que pregas que não se deve furtar, furtas? 22 Tu, que dizes que não se deve cometer adultério, adulteras? Tu, que abominas os ídolos, roubas os templos? 23 Tu, que te glorias na lei, desonras a Deus pela transgressão da lei?" Ainda que a doutrina de sua "Igreja" permita tal coisa, a Palavra de Deus contudo é mais forte que todas as doutrinas humanas. E digo mais, se a sua igreja aceita o "beber socialmente", isto não é um bom sinal de saúde espiritual!!!

            A CCB ALEGA QUE SÓ O SEU BATISMO É CORRETO

A CCB não reconhece o batismo efetuado por ministros do Evangelho de outras denominações, mesmo que seja por imersão, em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo (Mt.28:19). Não condenamos a fórmula adotada pela CCB para batizar os seus adeptos. É verdade que não concordamos com a maneira pela qual ela ministra o batismo nas águas, ou seja, o candidato ao batismo não recebe nenhum devido preparo ao se batizar, há pessoas que se batizam ainda com vícios e que não teve uma experiência do novo nascimento, ficando à mercê do sentimentalismo, pois acreditam que se Deus tocar na pessoa na hora do batismo, ela pode naquele momento ser batizada e ser salva, fazem isso devido a uma má compreensão do texto bíblico de Atos 2:38, acreditam que as águas purifica pecados. Todavia, não desmerecemos tal batismo. A problemática toda recai nos argumentos levantados pela CCB, para não reconhecer o batismo de outras denominações. Analisemos os principais:

· O batismo de outras comunidades cristãs evangélicas está errado, porque utilizam a expressão "eu te batizo". A CCB entende que ao dizer "eu te batizo" é a carne que opera, o homem, colocando-se na frente de Deus.

· O batismo só é valido se efetuado com está formula: "Em nome do Senhor Jesus te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo".

· O batismo da CCB purifica o homem do pecado.

RESPOSTA: O primeiro argumento da CCB é de uma pobreza descomunal: Ora, qual a diferença entre a expressão, "eu te batizo", e a da CCB, "te batizo"? Na primeira expressão o sujeito está explícito; na segunda o sujeito está oculto. Das duas, uma: Ou a CCB pensa que no ato batismal não é o homem que batiza mas Deus, ou eles não conhecem a língua portuguesa! É claro que é o homem que efetua o batismo, pois Jesus mandou que os discípulos assim o fizessem. Além disso, se, pelo fato de utilizar a expressão "eu te batizo", estivéssemos errados e ofendendo a Deus, então João Batista não estaria certo tão pouco quando batizou Jesus, pois naquela ocasião usou a seguinte expressão: "Eu vos batizei em água; ele, porém, vos batizará no Espírito Santo" (Mc.1:8) e "Eu, na verdade, vos batizo em água" (Mt.3:11). Será que a CCB acha que João Batista estava errado também?

O segundo argumento da CCB acerca da fórmula batismal é uma prova da falta de conhecimento Bíblico e teológico. Eles criaram uma fórmula que não existe nas escrituras. A menção do batismo em nome de Jesus (Atos 2:28; 8:16; 10:48 e 19:5) encontra-se em passagens que não tratam da fórmula batismal, e, sim, de atos ou eventos feitos em nome de Jesus, pois tudo o que é feito em nossas vidas é em nome de Jesus. Veja o que diz o apóstolo Paulo em Colossenses 3:17: "E tudo quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai". O cristão quando se reúne, se reúne em nome de Jesus; Quando louva a Deus com cânticos, louva em nome de Jesus; Quando apresentamos uma criança, apresentamos em nome de Jesus;... e quando realizamos um batismo, realizamos em nome de Jesus, mas de acordo com a fórmula dada por Cristo: "Em nome do Pai, Filho e Espírito Santo" (Mt.28:19). Os textos do livro de Atos só nos mostram essa realidade e não uma fórmula batismal, veja: Atos 2:38 - "Em nome de Jesus Cristo"; Atos 8:16 - "em nome do Senhor Jesus". Se essas passagens revelassem a fórmula batismal, seriam iguais, pois qualquer fórmula é padronizada. O que a Palavra está dizendo é que as pessoas eram batizadas na autoridade do nome do Senhor Jesus, mesmo porque não é possível que Pedro, pouco tempo depois da ordem de Jesus, em Mateus 28:19, agisse de modo tão diferente, alterando a fórmula batismal.

NOTA : Segundo os historiadores e a Bíblia de Jerusalém em nota de rodapé sobre Mateus 28:19, esta “formula” batismal foi um acréscimo bíblico feito pelo bispo de Roma, Diocreciano, no ano de 196 d.C. Isto explicaria o porque em apenas 10 dias depois da suposta ordem, não confirmada em Marcos 16:15, os discípulos REALMENTE não batizarem em nome de uma trindade não confirmada por nenhum texto bíblico (I Cor 8:5, 6)... As manipulações bíblicas para confirmar esta heresia pagã não ficaram somente neste texto e a mais famosa delas e que hoje, nenhum evangélico aceita, é o que se convencionou chamar-se de coma joanina (I João 5:7, 8).

O terceiro argumento é de que o batismo, na CCB, purifica o homem do pecado. Tal afirmação é desqualificada, sem base bíblica, basta somente um pequeno versículo bíblico como o de I João 1:7 para lançar por terra essa heresia medieval: "...e o sangue de Jesus seu Filho nos purifica de todo pecado". A Bíblia deixa bem clara essa questão. O que nos purifica é somente "O SANGUE DE JESUS CRISTO" derramado por nós na cruz. Em Marcos 16:16 é dito que: "Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado". Não é dito que quem não crer e não for batizado será condenado, mas apenas quem não crer. O ladrão da cruz não teve tempo para se batizar, mas creu no Senhor, recebeu a remissão dos seus pecados pelo seu sangue e foi salvo (`Lc.23:43).

ORAÇÃO SÓ DE JOELHOS ?

A Bíblia diz: "Orai sem cessar" (I Ts.5:17). Na CCB os crentes são obrigados a orar somente ajoelhados. Não podem obedecer ao texto citado, pois para obedecê-lo teriam de permanecer ajoelhados sem cessar. Tentam os líderes da CCB provar com Filipenses 2:10 que somos obrigados a orar somente ajoelhados. Esse texto refere-se ao fim, quando todos, crentes e ímpios, terão de reconhecer Jesus como Senhor e terão de dobrar seus joelhos em sua presença.

A respeito da oração e sobre a posição que se deve orar citaremos alguns textos:

a)       Jesus orou em pé, diante do túmulo de Lázaro, e sua oração foi ouvida (Jo.11:41,42). Portanto orar em pé não é pecado.

b)       Jesus orou na cruz (Lc.23:34-46).

c)       O profeta Jonas orou no ventre de um grande peixe (Jn.2).

d)       O rei Ezequias orou deitado e Deus ouviu-lhe o clamor (II Rs.20:1-5), provando assim que Deus não olha para a posição do corpo, mas para o coração.

e)       O publicano orou em pé e desceu justificado para casa (Lc.18:13-14).

f)         O cego de Jericó orou assentado à beira do caminho e recebeu o milagre (Mc.10:46-52).

            Observando tudo isto, chegamos à conclusão lógica: NÃO É A POSIÇÃO DO CORPO QUE INTERESSA PARA DEUS; É A ATITUDE INTERNA QUE IMPORTA" Todos oramos ajoelhados, porém, não somos como a CCB que só podem orar ajoelhados. Somos livres para orar da maneira mais favorável, sem cessar, em qualquer lugar. Imagine as pessoas que tem problemas físicos como por exemplo, os paraplégicos que não podem ajoelhar, será que Deus não ouviria a oração de tais pessoas ? Veja a incoerência das doutrinas inventada pela CCB!

            NOTA: A posição de mais reverencia, para nós os ocidentais, é sem dúvida alguma a de joelhos, porém quando a situação assim o permitir...

            PRATICAM O ÓSCULO SANTO

            A Bíblia mostra, em algumas epístolas, que os irmãos se saudavam com um beijo no rosto em sinal de cordialidade e cumprimento (Rm.16:16). Era um costume da época, como o nosso hoje, de saudar uns aos outros com um aperto de mão. O ósculo não é colocado como uma doutrina ou ensinamento, mas apenas como um gesto de cordialidade que deveria e deve haver entre os irmãos. Em nossas igrejas o povo é livre para saudar, não frisamos o ósculo pelo fato da inconveniência. A Bíblia nos ensina a evitar a aparência do mal (I Ts.5:22). Na nossa sociedade, homem beijando homem é um tanto escandaloso, sendo uma prática homossexual. Não queremos causar escândalos a ninguém (Rm.14:13) e por isso evitamos a prática do ósculo. Também é mostrado na Bíblia que essa prática do ósculo não era prática somente entre homens e homens e mulheres com mulheres, mas sim entre todos os irmãos independentemente do sexo. "Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo."(Rm.16:16). Para o apóstolo Paulo todos eram iguais perante Deus não havendo homem ou mulher (Gl.3:27-28). O beijo ou ósculo, que é tão venerado pelos membros da CCB, foi parte de uma história triste, onde Judas com um beijo traiu o Senhor - "Jesus, porém, lhe disse: Judas, com um beijo trais o Filho do homem?" (Lc.22:48). Ademais disso os membros da CCB para serem coerentes deveriam saudar-se nas ruas com osculo santo pois assim faziam os primeiros cristão. Mas não o fazem porque o consideram inconveniente. A bem da verdade, essa prática está sujeita à malicias se tornando indiscreta para o povo de Deus hoje em dia!

            A CCB E O PECADO CONTRA O ESPÍRITO SANTO

Entendem que o adultério é o pecado contra o espírito Santo de que fala a Bíblia. Grande porcentagem de desviados e até andarilhos e mendigos que já conheci, são desviados principalmente da CCB por ter achado que não têm mais perdão, pois pecaram contra o espírito Santo.

O que é blasfêmia contra o espírito Santo?

Conforme a popularidade de Jesus crescia, seus inimigos procuravam, desesperadamente, meios para explicar seus maravilhosos poderes. Finalmente, decidiram alegar que ele expulsava demônios pelo poder do próprio Satanás (Mateus 12:22-32; Marcos 3:22-30; Lucas 11:14-23). Jesus respondeu com três argumentos e uma advertência.
Seus argumentos foram os seguintes:

1.       Satanás não atacaria a si mesmo, pois ninguém luta contra si mesmo.

2.       Se eu expulso demônios por Satanás, como seus filhos os expelem?

3.       Para roubar a casa de um homem forte, tem-se primeiro que amarrá-lo. Expulsando demônios, estou amarrando Satanás, de modo que eu possa cumprir minha missão de resgatar àqueles que Satanás mantém cativos.
Sua advertência foi: "Em verdade vos digo que tudo será perdoado aos filhos dos homens: os pecados e as blasfêmias que proferirem. Mas aquele que blasfemar contra o Espírito Santo não tem perdão para sempre, visto que é réu de pecado eterno." (Marcos 3:28-30).

O que é este pecado imperdoável? Muitos trechos ensinam que é possível ir tão longe de Deus que não se pode retornar. Paulo adverte sobre consciências insensíveis (1 Timóteo 4:2). Hebreus fala de corações endurecidos (capítulo 3) e daqueles que não podem ser trazidos de volta ao arrependimento (capítulo 6). João fala daqueles cujos pecados levam à morte, uma vez que eles se recusam a se arrependerem e a confessá-los (1 João 5:16-17). O próprio Jesus fala do solo que foi pisoteado e compactado ao ponto em que nenhuma semente pode germinar (Lucas 8:5). Cada passo que damos afastando-nos de Deus aproxima-nos do ponto sem retorno. Podemos perder o poder moral para mudar e voltar ao Senhor.

      O problema, naturalmente, não está na vontade de Deus de perdoar o pecador (Lucas 15; 2 Pedro 3:9). Deus alegremente aceita e perdoa a todos que se arrependem. O problema está em que alguns rejeitam cada tentativa de Deus para motivar o arrependimento. Depois que Jesus deixou a terra, como ser humano, voltou glorificado – onipresente em espírito – e veio para revelar a mensagem final da salvação. Para aqueles que a recusam e se voltam contra este espírito Santo, Deus não tem nenhum outro plano. Não há outro sacrifício pelo pecado (Hebreus 10:26-31). Aqueles cujo estado endurecido faz com que recusem o rogo final de Deus, nunca serão perdoados. Esta é a blasfêmia contra o espírito Santo. Queira Deus conceder-nos corações tenros para prontamente responder à sua palavra.

NOTA Mensagens Finais: O autor deste estudo inicia com o verdadeiro motivo de se dizer que pecou contra O espírito – João 4:24 –  (atribuir a obra de DEUS a satanás) e acaba por desviar-se das explicações de Jesus, querendo nos impor, por medo, algo não dito nas Sagradas Letras... Resistir ao espírito NÃO é o pecado contra Ele, pois podemos a qualquer momento ceder e abrirmos o coração à Ele (Apoc 20:3) como fez o ladrão na na cruz...


            A CCB ALEGA QUE A SUA SAUDAÇÃO É A ÚNICA CERTA

            - "A paz do Senhor irmão! - Amém!"

            O diálogo acima é um exemplo corriqueiro de quem quer ter comunhão com um membro da CCB. Repare que eles não devolvem a paz (Lc 10. 5,6), mas um amém, por que acreditam que nossa saudação está incorreta.
Se formos seguir a atitude preconceituosa dos adeptos da CCB, a saudação adotada por eles seria passível de questionamento, o que não ocorre pelo fato de os evangélicos, de maneira geral, respeitarem os costumes de outras igrejas. A CCB nos acusa e critica por usarmos a forma de saudar com a "Paz do Senhor" em hebraico "Shallon Adonay". Citam para justificar esse conceito a seguinte expressão: "Devemos saudar com a paz de Deus, e nunca com a paz do Senhor, porque existem muitos senhores, mas Deus é um só". Essa acusação da CCB se desfaz em pó com somente um versículo que Paulo escreveu na primeira carta aos coríntios 8:5 e 6, que diz: "Pois, ainda que haja também alguns que se chamem deuses, quer no céu quer na terra (como há muitos deuses e muitos senhores), todavia para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem nós vivemos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual existem todas as coisas, e por ele nós também" (cadê a trindade aqui?). Esse conceito da CCB não procede e é no mínimo perigoso, pois a saudação deles de "Shallon El" é um termo genérico "El" em hebraico pode se referir a qualquer Deus enquanto que "Adonay" não, só se refere ao Deus dos Israelitas. Não discordamos da CCB por ter adotado a forma "paz de Deus" para cumprimentar, mesmo porque é bíblica. O que não podemos de maneira alguma aceitar é a atitude discriminatória de seus adeptos, que pensam que por saudarem com a forma que eles adotaram, estarão num patamar espiritual mais elevado, condenando todas as demais saudações. Para seguirmos a risca os preceitos bíblicos teríamos que saudar com "graça e paz" pois foi a saudação mais usada nas epistolas (porém não foi a usada por Jesus – João 20:19, 21)!

            FLAGRANTE ANALOGIA

Não podemos deixar passar despercebido a incrível semelhança entre a Congregação Cristã no Brasil e a congregação de Coríntios. Não seria nada injusto taxa-la de neocorintiana, visto que os mesmos problemas que existia na igreja dos Coríntios existe atualmente na CCB. Suas práticas e doutrinas e costumes são idênticos.

O apóstolo escreveu suas duas epístolas justamente para corrigir equívocos e desvios doutrinários dentro da novel igreja. Analisemos agora a comparação.

1.      Paulo tinha problemas com aquela igreja no tocante ao orgulho espiritual de possuir muitos dons, mas, no entanto permaneciam carnais, dando mau testemunho aos de fora 1:7; 3:1.

2.      Eles ultrapassavam os ensinamentos bíblicos 4:6.

3.       Possivelmente tinha o batismo como primazia, daí a advertência do apóstolo 1:14,17.

4.       Não possuíam pastor foi preciso o apostolo enviar-lhes um 16:10.

5.       Eram contra o salário do pastor 9:6-14.

6.       Eram contra o preparo intelectual e o estudo tendo Paulo que alertar sobre isso II Co 8:7; 11:6.

7.       O uso do véu 11:1

            Esses são apenas alguns dos pontos em que a CCB clonou da igreja de Corinto! É bom frisarmos que aquela igreja era uma igreja deficiente devido a inúmeros erros doutrinários, e não era de forma alguma, uma igreja que pudesse servir de exemplo para as demais!


PECULIARIDADES DA CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL

A CCB possui ainda outras práticas particulares além das que já foram expostas acima, que a distancia ainda mais das igrejas evangélicas. Vejamos:
· A ceia do Senhor é celebrada anualmente com um só pão sempre partido com a mão e também com um só cálice, jogando depois, as sobras em qualquer rio.
· Cerimônias de casamento não se realizam no templo. O crente da CCB não deve participar de casamentos de pessoas não pertencentes a CCB, isso seria participar de coisas sacrificadas aos ídolos.
· Cerimônias fúnebres são proibidas nos templos.
· Acreditam na doutrina anti-biblica do sono da alma no intervalo entre a morte e a ressurreição (?)

NOTA: Nisto estão corretos... João 11:11, 13; Ecl 9:5; Gên 1:27; 2:7; Ecl 12:7; Eze 18:4; Além de que extrair uma doutrina de uma PARÁBOLA (Luc 16:19-31) é temerário...
· Mulheres não podem pregar na CCB, pois acreditam que a Bíblia lhes vetou este direito, se bem que no início do movimento as mulheres tinham esse privilégio.
· Na liturgia do culto só aceitam instrumentos de sopro ou fôlego, alegam isso com base no Salmo 150:6.

NOTA: Realmente as igrejas evangélicas em geral estão extrapolando em seus louvores tornando a Casa de  DEUS um autentico local de confusão, desrespeitando àquEle que nos criou, usando instrumentos e amplificadores que além de agradarem apenas à satanás, incomodam os vizinhos das suas igrejas, dando com isto um mau testemunho!

· Nos templos há separação entre homens e mulheres.
 

Proibição de fotografarem durante os cultos.
· Proibição de os membros assistirem cultos em outras igrejas ou de ajoelharem-se em outras denominações.
· Não possuem livros didáticos ou de quaisquer espécies, salvo um livreto que contêm a história e as doutrinas da CCB.


CONCLUSÃO

Após essa análise crítico-teológica que fizemos da CCB não pense o leitor que declaramos guerra a esta igreja. Muito pelo contrário, adotamos o conselho bíblico "Instrui ao sábio, e ele se fará mais, sábio; ensina ao justo, e ele crescerá em entendimento." (Provérbios 9:9).
Partindo dessa premissa acreditamos piamente que estamos ajudando muitos a enxergar além das lentes da CCB e perceber os erros e desvios doutrinários que é endossado pela sua igreja.
Oramos também, para que Deus aumente o entendimento de seus membros ao procurarem a palavra de Deus, que o orgulho carnal caia por terra e venhamos a ter comunhão como irmãos e não como primos. Graças a Deus que essa nova geração da CCB não apresenta uma mente tão fechada como são as dos mais antigos, devido as inúmeras crendices que são espalhadas entre seus congregados. Muitos deles até se sentem ofendidos com os pontos expostos acima. E não lhes tiramos esse direito. Sentem-se assim, por não serem coniventes com essas heresias. Aliás, há até e-mails de membros da CCB criticando nossos estudos em relação à sua igreja, mas infelizmente esse percentual ainda é minoria, uma quantidade inexpressiva, pois a maioria continua ainda praticando essas anomalias e se achando melhores que os outros cristãos!.

Bibliografia

· DEFESA DA FÉ - Edição especial de 1998
· DEFESA DA FÉ - Edição 1998 n8
· VINTE RAZÕES POR QUE NÃO PERTENÇO A Congregação Cristã no Brasil - Justus
· CONHECENDO A CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL S.V MILTON
· ERROS DOUTRINÁRIOS DA CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL (apostila) Natanael Rinaldi -ICP
· LIÇÕES BIBLICAS CPAD 1995 1 trimestre 1997, 2 e 4 trimestres.
· BÍBLIA DE ESTUDO PENTECOSTAL - CPAD
· TEOLOGIA SISTEMÁTICA - STANLEY M. HORTON CPAD
· ANOTAÇÕES PARTICULARES DO AUTOR
· PENTECOSTALISMO NO BRASIL Profa. Yara Nogueira Monteiro

 

                                                        IR PARA O INICIO DESTA PAGINA                                               

IR PARA A PÁGINA RELIGIÕES

IR PARA A PÁGINA INICIAL