MENSAGEM  ATUAL

VOLTAR  PARA A PÁGINA INICIAL                    

   

A Tecnologia Atual Possibilita aos Governos Espionar os Cidadãos e Forjar Evidências Contra os Opositores!

Fotografias e imagens em vídeo podem ser forjadas com total perfeição, tornando impossível até para um profissional distinguir a realidade da falsificação; microcâmeras estão sendo instaladas em quartos de hotéis e em locais de grande circulação de pessoas; bancos de dados podem ser manipulados com facilidade para criar registros com evidências contra os opositores do governo; usuários de telefone celular podem ser localizados mesmo com o aparelho desligado. 

Resumo da Notícia: Invasion of Privacy [Invasão de Privacidade], de Michael Hyatt, Regenery Publishing, ISBN: 0895262878.

"Neste exato momento, quer você se dê conta ou não, está exposto e vulnerável. Por que? É bem simples: a privacidade está acabando. Os detalhes íntimos de sua vida - seu endereço e telefone, número do CPF, contas bancárias, histórico de crédito, hábitos de consumo, histórico profissional, registros clínicos, hábitos de viagem - estão prontamente disponíveis a qualquer um que possa se interessar por eles. E você pode ficar chocado apenas ao saber quantos grupos estão pedindo informações a seu respeito: grandes empresas, criminosos, detetives particulares, agências governamentais e outros. Quando nos tornamos usuários da Internet e de outras inovações tecnológicas que trouxeram comodidade às nossas vidas, essas tecnologias nos tornaram mais vulneráveis do que nunca."

Essas palavras, que causam calafrio, podem muito bem significar o fim da liberdade pessoal nos EUA e no mundo todo. Os Pais Fundadores compreenderam claramente que a liberdade pessoal depende do anonimato.  Portanto, recebemos certos direitos e garantias constitucionais que os Pais Fundadores acreditaram que preservariam nosso anonimato individual.

Para entender o quão importante esse anonimato individual é para a liberdade pessoal, você apenas precisa analisar as práticas dos regimes ditatoriais da história. Cada ditadura criou e manteve um abrangente Departamento de Vigilância Política e Social que estendia seus tentáculos sobre os cidadãos para identificar os dissidentes e outros indivíduos considerados como ameaças ao regime. Até mesmo os vizinhos eram usados para espionar uns aos outros. Sem essa vigilância interna, os ditadores sentiam-se inseguros.

Sendo assim, encontramos uma ameaça para o anonimato individual e, portanto, para a liberdade pessoal, em um grau elevado o tempo todo. A Bíblia prediz que esse novo sistema global será o mais repressor da história, de forma que devemos nos preocupar.

O autor Michael Hyatt relaciona as agências governamentais dentre algumas das muitas entidades que estão bastante interessadas nos detalhes particulares dos cidadãos. Isso deveria nos deixar muito preocupados, pois nenhum grande governo da história teve os melhores interesses de seus cidadãos no íntimo de seu coração. Nos grandes governos, as autoridades historicamente só se interessam por uma coisa: poder - ganhar, aumentar e manter o poder.

Hyatt relaciona então uma das formas pelas quais o governo federal sabe a respeito das suas finanças. 

Se o governo federal ou estadual pode bloquear o patrimônio de um cidadão para investigar "atividades suspeitas", você pode apostar que ele pode criar registros em computador para forjar uma evidência contra algum adversário. Todos sabemos que os bancos de dados podem ser criados e recriados rapidamente pelos computadores. Um novo item inserido em um computador pode ser adicionado em apenas alguns segundos, e em seguida, o arquivo é gravado e atualizado. Instantaneamente, transações que nunca ocorreram de verdade podem ser forjadas para que pareçam oficiais e se tornem indistinguíveis dos registros reais do banco de dados.

Outras Formas de Invasão de Privacidade

Há algumas semanas recebi mensagens de correio eletrônico provenientes de diversas fontes, falando sobre uma certa rede de hotéis que estava instalando câmeras de vigilância nos quartos. Isso não é apenas uma enorme invasão de privacidade, mas o que chamou minha atenção foi a declaração do porta-voz da empresa de equipamentos de vigilância que o governo federal é um dos seus principais clientes.

Hyatt também informa em seu livro que os cidadãos correm o perigo de serem espionados pela "vigilância do governo: o governo agora utiliza sistemas de alta tecnologia para monitorar virtualmente qualquer transmissão de qualquer espécie, incluindo ligações telefônicas, correio eletrônico, arquivos baixados na Internet e faxes."

A lista prossegue, de outras fontes:

Resumo da Notícia: "Empresas de Segurança Pedem Legislação Sobre a Vigilância com Câmeras", por Andy Sullivan, PC Magazine, publicado pela WorldNetDaily, 8/8/2001.

"Washington (Reuters) - Enfrentando um crescente antagonismo público, a indústria de segurança pediu ao Congresso na quarta-feira a regularização do uso de sistemas de segurança que comparam os rostos das pessoas na rua com arquivos de criminosos conhecidos. O criador de um famoso sistema de reconhecimento facial, juntamente com o representante do setor empresarial, disse que o governo federal precisa intervir para garantir que esses sistemas não sejam usados pela Polícia ou por empresas privadas para rastrear ou compilar perfis de cidadãos inocentes."

"'Essa descoberta deveria trazer benefício para a sociedade e para o mundo, e meu pressentimento acerca disso é que preciso da ajuda do governo federal para garantir que não haverá permissão para o uso inadequado', disse o Dr. Joseph Atick, diretor da Visionics Corp."

Mesmo se o Congresso reagir "proibindo" o uso dessa tecnologia de vigilância fotográfica contra os cidadãos, ninguém poderá relaxar, pois todos sabemos que o governo federal tem a fama de utilizar as mais modernas tecnologias em operações "Caixa Preta" contra qualquer pessoa que queira investigar. Assim, embora as delegacias de Polícia e outras agências governamentais sejam "proibidas" de usar essa tecnologia contra os cidadãos honestos, não há garantia alguma que as equipes de vigilância interna estarão obedecendo às leis.

O popular adesivo de carro sobre o controle de armas certamente se aplica aqui: "Quando as armas de fogo forem proibidas, apenas os fora-da-lei terão armas." A história ensina que o maior "fora-da-lei" que se opõe à população comum é um governo poderoso e repressor.

Resumo da Notícia: "O FBI Espiona as 'Frentes'. Segundo Especialista, Megiddo é Espionagem Doméstica Correndo Solta", por David Bresnahan, WorldNetDaily, 10/10/1999.

"O FBI emprega organizações ativistas de esquerda para espionar cidadãos norte-americanos, o que mais recentemente resultou no Projeto Megiddo - que enfoca grupos cristãos "de direita" e caracteriza muitos deles como potenciais terroristas - de acordo com um especialista em grupos políticos extremistas."

Não é interessante perceber que o próprio governo federal enfoca sua mira nos "grupos cristãos 'de direita'"? O próximo parágrafo demonstra a profundidade do antagonismo do governo contra a comunidade cristã.

"... o Projeto Megiddo adverte sobre o perigo representado por certos grupos cristãos 'extremistas' cujo objetivo é apressar a segunda vinda de Jesus Cristo. O relatório afirma que esses grupos podem perpetrar atos de terrorismo dentro dos EUA."

Não deveríamos estar muito surpresos pelo fato de o governo estar focalizando os cristãos que acreditam na segunda vinda de Jesus Cristo, uma vez que o governo federal está gradualmente conduzindo o país rumo a um novo Sistema Mundial, que é, por definição, o governo global . Entretanto, é desconcertante saber que o governo federal "suspeite" que os cristãos sejam capazes de "perpetrar atos de terrorismo dentro dos EUA".

Bresnahan então prossegue, mostrando o risco que nós, líderes cristãos, poderemos enfrentar nestes dias. "As organizações que fazem o papel de cão de guarda alimentam os órgãos de imposição da lei com informações para orientá-las na busca dos opositores, reais ou imaginários. Alegando 'periculosidade' com base nos meros valores, opiniões e crenças presumidos, põem cidadãos inteiramente inocentes à mercê de erros e falhas de conduta do aparelho policial."

Essa revelação também significa que não devemos nos surpreender se o governo federal lançar campanhas difamatórias específicas contra líderes cristãos escolhidos a dedo, mesmo que tenham de fabricar evidências a partir do nada. Não apenas mostramos como tais documentos, como extratos bancários podem ser fácil e rapidamente adulterados para apresentarem transações que nunca ocorreram, mas a seguinte informação demonstra como outros tipos de "provas" podem ser facilmente criados usando-se a alta tecnologia.

Resumo da Notícia: TV Guide, 22 a 28 de fevereiro de 1992, "Notícias Falsas"

"Nos últimos anos as notícias falsas se transformaram em um grande negócio. Todos os dias os profissionais de Assessoria de Imprensa suprem as mais de setecentas retransmissoras locais e a rede nacional de televisão do país com informes e reportagens... A maior parte do material... chega como um 'comunicado jornalístico em vídeo' (VNR - Vídeo News Release). Trata-se de um conjunto de imagens e palavras, transmitidas gratuitamente por satélite ou cassete, e que geralmente incluem tudo, desde fotos de bastidores, que podem ser editadas e transformadas em uma história, até uma matéria totalmente produzida, pronta para ser levada ao ar."

Em outras palavras, esses 'comunicados jornalísticos em vídeo' (VNR's) não são notícias espontâneas que foram gravadas, nem transmissões ao vivo de notícias; ao invés disso, são ações cuidadosamente planejadas e executadas, engendradas para parecerem com notícias espontâneas. As emissoras de TV, tanto nacionais como locais, estão divulgando esses VNRs como se fossem notícias verdadeiras, ao ponto de mostrarem o logotipo da emissora no canto da tela durante a transmissão. Os telespectadores estão sendo enganados; as notícias são falsas, chamadas de "VNR".

Com que freqüência as emissoras e redes de televisão usam os VNR's? "Aproximadamente 80% dos diretores de jornalismo do país admitem utilizar material de VNR ao menos algumas vezes por mês... Em qualquer caso, essa estatística provavelmente subestima o quão comumente o material produzido pelas Assessorias de Imprensa vai ao ar... os apresentadores de telejornais podem trabalhar com matérias produzidas por outras pessoas, sem saberem que a história original inclui seqüências de VNR." [pg 16,26]. Essa incrível informação significa que o material de VNR está sendo disfarçado como notícia espontânea ou como jornalismo produzido pela rede todos os dias da semana!! Os apresentadores dos noticiários estão nos enganando diariamente.

No entanto, ficaríamos apenas escandalizados se nossas emissoras e redes de televisão violassem a confiança que depositamos nelas; ficamos alarmados quanto a uma possível ameaça às nossas liberdades porque o governo está agora entrando em cena.

Diversas campanhas presidenciais estão criando VNRs que são então exibidos pelas redes de televisão como notícias espontâneas. Assim, esses minifilmes produzidos de forma profissional são usados para perverter o processo eleitoral. A situação está se tornando séria.

O artigo compartilha uma informação ainda mais desastrosa sobre como o ex-presidente George Bush(pai) e seu governo utilizaram essa nova técnica de comunicado jornalístico em vídeo (VNR). "... Algumas porções dos esforços na Guerra do Golfo Pérsico foram criadas em cenário, em uma tentativa de fazer a opinião pública apoiar uma ação militar contra o Iraque." [pg 11].

Você quer dizer que aquela imagem de um motorista de caminhão iraquiano atravessando com dificuldades uma ponte, antes de ser atingido por uma "bomba inteligente" era forjada! Era falsa?!

Diversos exemplos dessa falsa manipulação da opinião pública em favor do início da guerra são apresentados:

(1). A "cobertura" feita pela ABC e pela CBS de um depoimento que causou comoção no Congresso de uma menina kuwaitiana refugiada. Essa menina testemunhou que soldados iraquianos invadiram os hospitais no Kuwait e removeram as incubadoras, para enviá-las ao Iraque. Em muitos casos, essas incubadoras estavam ocupadas por bebês recém-nascidos. Os soldados iraquianos tiravam os bebês das incubadoras, condenando-os à morte. O presidente Bush citou esse incidente em muitos de seus discursos para obter o apoio popular aos seus planos de guerra. A verdade aterradora desse testemunho é que a pobre refugiada era a filha do embaixador do Kuwait nos EUA, e todo o seu testemunho "foi, na verdade, ensaiado na frente das câmeras". Quem criou esses filmes falsos? Uma firma de assessoria de imprensa chamada "Hill and Knowlton", cujo diretor era Craig Fuller, ex-chefe de equipe de George Bush quando ele foi vice-presidente.

(2). Os refugiados do Kuwait espalhavam histórias na mídia jornalística referentes às atrocidades dos iraquianos. "Aqueles que tinham os relatos mais convincentes - e que mais correspondiam aos planos do cliente da Hill and Knowlton - eram disponibilizados para as empresas jornalísticas, limitando assim a capacidade dos jornalistas de avaliar de forma independente as acusações de brutalidades. De fato, os funcionários da empresa de assessoria de imprensa receberam autorização para viajar desacompanhados pela Arábia Saudita, enquanto os jornalistas foram severamente restringidos." [pg 12].

Mantendo esse conceito em mente, considere outro artigo que ilustra vividamente como os líderes inescrupulosos podem utilizar a tecnologia de ponta para nos enganar. Por muitos e muitos anos as pessoas aceitaram uma fotografia como uma prova suficiente a respeito de um fato. Os tribunais também aceitam as fotos como evidências admissíveis. Essa aceitação é tão ampla que usamos a frase: "As imagens não mentem". A atual tecnologia agora tornou essa crença inútil na melhor da hipóteses, e perigosa na pior.

Resumo da Notícia: "Quando as Fotos Mentem", Newsweek, 30/7/1990, pg 44-45.

"Os recentes avanços na tecnologia tornaram possível, e até mesmo fácil, a adulteração das imagens de tal forma que ninguém, nem um fotógrafo profissional, jamais possa detectar a alteração. "Alterações simples... podem ser conseguidas com uma série de comandos no amplamente disponível sistema de computador Scitex Response. O processo envolve dar aos 'pixels' - pontos eletrônicos - um código binário que facilite o ajuste. O projeto do layout, corte, ajuste do tamanho e outras modificações são feitas mais rapidamente, com menos custo e de forma infinitamente mais flexível. As combinações mais complexas de resolução e de cor, que antes exigiam um artista treinado na técnica, agora requerem apenas sistemas digitalizados mais sofisticados."

Em outras palavras, as fotografias são escaneadas para que a imagem seja convertida em pixels de computador, os pontos que formam a imagem na tela do monitor. Esses pixels são então reorganizados para criar uma nova foto. Em seguida, o computador cria a nova e falsa imagem eletronicamente. O resultado é uma fotografia perfeita sem nenhum rastro ou diferenças de cor que revelem a um profissional que alterações foram realizadas.

Para ilustrar esse argumento, a Newsweek contratou uma agência de propaganda para criar uma fotografia de um jantar com as seguintes personalidades presentes:

  • O ex- presidente Ronald Reagan;
  • Marla Maples, uma modelo que esteve envolvida com o milionário Donald Trump;
  • Mohammar Khaddafi,  ditador da Líbia;
  • A rainha da Inglaterra;
  • Elvis Presley.
Obviamente, como Elvis Presley já morreu há quase vinte anos, esse grupo de indivíduos jamais poderia ter realmente se reunido em um jantar. No entanto, você nunca teria percebido isso apenas pela foto. Cada detalhe era perfeito; não existiam linhas em que ocorreram cortes e junções; não existiam variações na coloração, nem nas pessoas nem em nenhuma parte do fundo. A reorganização que o computador fez nos pixels eletrônicos foi perfeita e produziu uma foto falsa tão realista que convenceria um tribunal do júri.

Cerca de setecentas empresas privadas agora possuem avançados sistemas eletrônicos de imagem semelhantes. Não podemos mais aceitar fotografias como sendo válidas. Os tribunais não podem mais aceitar fotografias como "prova" de que uma pessoa fez algo ou que alguém esteve em um certo lugar em um determinado momento.

Os anúncios estão sendo alterados regularmente, assim como as histórias e os documentários jornalísticos. Exemplos:

  • Em 1982, a National Geographic utilizou essa técnica para aproximar duas pirâmides egípcias para que coubessem adequadamente na capa.
  • A revista Time utilizou essa técnica em 1987 quando publicou uma matéria sobre espionagem em Moscou envolvendo os guardas da Marinha. A Time fotografou um fuzileiro em estúdio e depois utilizou essa tecnologia de computador para mostrá-lo na embaixada americana em Moscou.
  • Em 1989, a Newsweek recriou uma foto fazendo parecer que os astros de cinema Tom Cruise e Dustin Hoffman estivessem juntos quando, na verdade, um estava no Havaí e o outro em Nova York.
  • A ABC News recriou uma foto mostrando o suspeito de espionagem Felix Bloch entregando uma maleta para um agente comunista, sabendo que a foto era uma fraude.
As implicações são impressionantes. Qualquer pessoa ou organização privada que deseje desacreditar alguém pode  "criar" sua própria realidade falsa com uma fotografia fraudulenta mostrando a vítima fazendo algo que queiram que ela faça. E, as pessoas ingênuas não acreditarão nisso, pois ainda confiam nas imagens. E, se as empresas privadas agora possuem essa tecnologia, você pode ter certeza que os governos do mundo todo possuem tecnologia ainda mais sofisticada. Entramos verdadeiramente em um terreno perigoso aqui.

As advertências de Jesus em Mateus 24 a respeito da enganação soam agora ainda mais verdadeiras do que antes. Quando o novo Sistema surgir, imagens poderão ser criadas de antemão em um estúdio para fazê-lo parecer estar fazendo coisas que nunca poderia realmente fazer. Poderão inclusive apresentar algum lider religioso mundial com atributos divinos(ilusões) em fotos e imagens tão reais que a maioria das pessoas será enganada. Poderemos literalmente ser defrontados com fraudes tão convincentes que ninguém jamais suspeitará.

O conhecido autor israelense Barry Chamish, em uma mensagem de correio eletrônico de 8/8/2001, intitulada "Efeito Bola de Neve, Ondas Gigantes", alerta sobre as atuais capacidades dos telefones celulares. Leia com atenção:

"A discussão desviou-se para o uso atual dos telefones celulares em Israel para localizar terroristas da OLP e líderes de colônias judaicas visados para atentados. Qualquer esquadrão pode localizar sua presa no raio de alguns metros caso a pessoa esteja transportando um telefone celular e isso levou a uma grande porcentagem de assassínios no ano passado. Mesmo que o telefone esteja desligado, uma fonte passiva oculta de energia pode enviar os sinais de localização."

Foi assim que os Serviços de Segurança de Israel conseguiram assassinar alguns líderes da Intifada, embora eles aparecessem muito pouco em público, e até mesmo quando repentinamente entravam em uma cabine telefônica para fazer um rápido telefonema. No entanto, essa tecnologia de localização também pode ser usada contra um opositor de uma maneira diferente; quando o inimigo-alvo do Estado for cuidar de seus negócios normais, sua localização pode ser cuidadosamente registrada. Em seguida, uma infração ou um "crime" fabricado pode ser criado para produzir uma misteriosa e muito poderosa semelhança com a verdade porque tal suposta infração ocorreria em uma área e em um horário em que muitas pessoas poderiam ver o opositor naquele dia.

Essa possibilidade - probabilidade - é insidiosa! Em um instante, a reputação e a credibilidade de uma vida inteira podem muito bem ser arruinadas, tudo com base em "evidências" forjadas! Realmente, esta não é uma boa época para se estar no lado da oposição ao governo.

O FBI poderá ser a agência que agirá contra os supostos líderes dissidentes escolhidos, para desacreditá-los ou efetivamente prendê-los. Como o jornalista David Bresnahan já nos informou que o FBI considera os líderes cristãos que pregam a "segunda vinda de Jesus Cristo" inimigos do Estado - até mesmo "terroristas" - não devemos nos surpreender se falsas acusações começarem a surgir contra líderes importantes da comunidade cristã.

Logicamente, as  eventuais "evidências" contra esses líderes cristãos serão fabricadas, criadas do nada.

Esses fatos são apenas mais uma clara indicação de que estamos caminhando rumo ao período final da história humana, que a Bíblia chama de Grande Tribulação. As forças satänicas  possuem agora a tecnologia para participarem do cumprimento de muitas profecias bíblicas ao pé da letra. Os atuais líderes políticos e espirituais têm os valores e as capacidades necessárias para cumprirem as profecias referentes à Grande Tribulação. Se você ainda duvidava de como a hora está avançada, já não precisa duvidar mais.

"Acautelai-vos, que ninguém vos engane... Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos." [Mateus 24:4, 24].

O apóstolo Paulo predisse: "A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, e com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira; Para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade." [2 Tessalonicenses 2:9-12]. O sentido no idioma original fala de uma enganação sem precedentes, uma enganação tão bem feita que todos no mundo seriam iludidos, a não ser que o Espírito  Santo de DEUS alerte os fiéis meio da sabedoria bíblica e do discernimento espiritual. [Veja Mateus 24:24, citado anteriormente]

Realmente, esses eventos provam que estamos de fato vivendo nos últimos dias.

Deus o abençoe.

Tradução: Eduardo Perez Neto
Data: 26/9/2001
Observação: Texto adpatado e corrigido

                    

 IR PARA  "VOCE SABIA QUE?"